13 de julho de 2014

Götze marca na prorrogação e Alemanha é tetra

No palco maior do futebol brasileiro, o Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, Alemanha e Argetina fizeram uma espetáculo equilibrado em busca pelo título da  Copa do Mundo.  Mas os europeus, tidos como favoritos, conseguiram seu tetracampeonato, 24 anos depois de seu último título,  aos 7 minutos do segundo tempo da prorrogação. Götze  saiu do banco  e balançou as redes. 

É a primeira vez que uma seleção da Europa é campeã em solo americano.  Marca conquistada por um time que começou a ser montado em 2006, esbanjou simpatia por onde passou no Brasil, derrubou o anfitrião com sonora goleada e calou a torcida hermana, que dominou o estádio carioca, na decisão.  Foi a terceira vez que Alemanha e Argentina estiveram na final do Mundial. O jogo deste domingo desempatou o confronto. 

Os europeus começaram melhor, apesar do desfalque de última hora:  Khedira  sentiu a panturrilha no aquecimento.  A Alemanha  tentou empurrar os sul-americanos para o campo de defesa, mas foi ela quem foi empurrada e se aproveitou na marcação rival.  

A Argentina, por sua vez, apostou no  brilho de Messi. O camisa 10 emendou boas jogadas e um cruzamento que sua equipe não conseguiu completar. A escola  dos hermanos esperava a oportunidade de contragolpear. Aos 20 minutos, Kroos cabeceou mal, para trás, a bola ficou com Higuaín, que na frente de Neuer, chutou para fora. A partida seguiu equilibrada. 

Com muita vontade  a Argentina foi embalada pelo torcedor no Maracanã. Aos 29, Lavezzi fez belo cruzamento e Higuaín toca para o fundo do gol, porém dois atletas argentinos estavam impedidos.  A Alemanha nme de longe se abateu. Müller tocou para Schürrle, que chegou batendo. Romero fez grande defesa, aos 36. 

No erro da saída de bola de Mascherano, Müller tocou para Özil, que rolou para Kroos, que bateu. O goleiro argentino defendeu  sem susto. A Alemanha voltou a assustar já nos acréscimos da etapa inicial. Kroos bateu escanteio, Höwedes ganhou pelo alto, mas cabeceou na trave. Müller estava impedido no rebote. 

O técnico da Argentina, Alejandro Sabella colocou Aguero  no lugar de Lavezzi no segundo tempo, talvez notando a falta que Khedira fazia a Alemanha. No primeiro minuto, Messi invadiu a área e chutou com muito perigo. A bola raspou a trave esquerda de Neuer. 

Porém o domínio  da posse de bola continuou com os alemães. Lahm fez  cruzamento pela direita e Klose cabeceou, com espaço, aos 14. Mas a bola foi sem força. Fácil para Romero. Aos 25, Müller ajeitou para Schürrle, que se enrolou e não conseguiu a finalização. 

No talento individual, Messi testou sua jogada tradicional. Pegou a bola na direita, carregou para o meio, mas bateu para fora. Enquanto isso a Alemanha, de novo pela direita, Lahm tocou para Kroos, livre na área, mas também não acertou o último passe. Já os 36, a partida ganhava ares de que iria para  a prorrogação.

As equipes intercalaram chances. A Argentina, que segurava menos a bola, teve as oportunidades de maior perigo no tempo normal, sem conseguir transpor a defesa alemã. O time de Joachim Löw  também não superou Romero. Os tempos extras foram necessários.  

 
Prorrogação 
A Alemanha começou mais empenhada em evitar a decisão por pênaltis. Schürrle tentou abrir o placar com chute forte. Só que Romero defendeu.  Com o ataque um pouco mais recuado, Rojo lançou e a bola sobrou para  Palacio dentro da área. Neuer fechou o ângulo, aos 6 do primeiro tempo. 

O início dos  15 minutos da segunda etapa extra foi faltoso, por parte dos hermanos, que tentavam se manter de pé frente a Alemanha, que estava melhor fisicamente. Aos 7,   Schürrle avançou pela esquerda. Götze matou no peito e sem deixar cair chutou para as redes.  Messi ainda pôde empatar  em cobrança de falta, mas bateu mal.